Consciência e ódio de classe de Denian Couto e Marc Sousa



Por: Pedro Carrano

(Ontem o ódio contra os sem-terra, hoje contra os professores) 

Eram os primeiros dias da Vigília Lula Livre. Vocês imaginam ou recordam da atmosfera política geral. A correria, a tensão, e a procura por informações por parte da imprensa. 

Na condição de integrante da coordenação da vigília, com a tarefa da comunicação, ao lado de Neudicléia de Oliveira, ainda nas primeiras semanas, atendemos o pedido de um jovem repórter da RIC/ Jovem Pan, perguntando sobre a relação da vigília e os moradores da região. 

Atendemos o profissional super bem, demos a nossa posição, como ele precisava para sua matéria. O cara agradeceu a atenção dada, para um material que deveria expor os dois lados do conflito. 

No dia seguinte, o susto:

Amigos me enviando áudios do programa em que o jornalista ultra-reacionário, agora futuro vereador, Denian Couto (mais tarde, alvo de protesto de trabalhadoras jornalistas e acusado de assédio e ameaça contra mulheres), ao lado de Marc Souza, questionavam por que eu “estava me fazendo de líder sem-terra” e passaram a me atacar no programa. 

A ignorância em relação ao fato de que a vigília não era conformada apenas por integrantes do MST, mas possuía outras organizações políticas e sociais, isso ainda foi algo irrelevante, já estamos acostumados a este olhar enviesado. Em última análise, de fato somos todos MST e apoiamos o movimento mesmo. 

No entanto, o mais gritante foi quando Denian soltou o seu preconceito contra os trabalhadores, com total acordo de Marc: 

“- Como ele pode ser dos sem-terra e falar corretamente?, com um português correto?”

Como podem eles prejulgar uma visão de que um sem-terra “não fala corretamente”?

Os verdadeiros ignorantes são os dois jornalistas. 

Ignoram os camponeses muito mais graduados do que nós; os milhares de militantes formados, doutores e mestres; ignoram os camponeses que fazem parte do setor de formação do MST e têm profundo conhecimento de teoria política, mesmo sem graduação formal, mas dedicados ao estudo incentivado pelo movimento; 

Ignoram os milhões de trabalhadores/as que não tiveram acesso à educação pública e condições de estudar, mas que possuem profundo conhecimento, sabedoria e experiência de vida.

Mas o que prevaleceu não foi a complexidade do povo brasileiro. Para os dois jornalistas, foi apenas uma turma do MST, que, na visão deles, devia ser ignorante. 

Ignoram os sem-terra. 

Porém, figuras como Marc ignoram também os professores, com o mesmo reducionismo que vimos na sua análise de hoje na RIC sobre a ocupação da Alep. 

Para ele, tratam-se apenas de “sindicalistas a serviço de seus partidos”, e vemos mais uma vez recorrer ao rótulo, emitido do alto da torre de marfim do seu estúdio. 

A mesma pergunta que gosta de fazer em meio a uma greve, vale para ele mesmo: 

A sua análise está a serviço de quem? 

(texto de Pedro Carrano)

Compartilhar por Whatsapp

Julio Take

Júlio Take, nasceu em Maringá-Paraná em 1967. Teve a primeira experiência profissinal em 1986, no O Jornal de Maringá. após essa primeira experiencia, trabalhou um tempo em Cascavel e Foz do Iguaçu. Após alguns anos militando na imprensa da região oeste do estado do Paraná, foi convidado a integrar a equipe da Agência de Notícias News.

0 comentários :