Mesa Diretora decide enviar processo contra Flordelis ao Conselho de Ética

 Deputada é acusada de matar o marido. Ela nega. Para o processo ser analisado pelo Conselho de Ética é preciso aprovar um projeto permitindo o funcionamento remoto do colegiado


Pedro França/Agência Senado
Prédio do Congresso Nacional ao entardecer
Mesa acatou parecer pela continuidade do processo apresentado pelo Corregedor da Câmara

A Mesa Diretora da Câmara dos Deputados decidiu, na quarta-feira, encaminhar a representação contra a deputada Flordelis (PSD-RJ) ao Conselho de Ética. A decisão foi anunciada pelo corregedor da Câmara, deputado Paulo Bengtson (PTB-PA), que recomendou a continuidade do processo. "A deputada não apresentou as provas contrárias para as acusações de quebra de decoro", declarou.

Flordelis é acusada de pelo Ministério Público do Rio de Janeiro de ser a mandante do assassinato do marido, o pastor Anderson do Carmo, em junho de 2019, em Niterói (RJ). Em sua defesa, a deputada afirma que existe erro na conclusão das investigações e alega que não pode ser julgada e condenada antes que todo o processo seja concluído.

Para que o Conselho de Ética analise o processo contra Flordelis, antes o Plenário da Câmara precisa votar um projeto de resolução da Câmara que permite o funcionamento do órgão de forma remota.

Segundo o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, a proposta também vai permitir o funcionamento de algumas comissões especiais, como a da PEC Emergencial, que regulamenta o teto de gastos.

Luis Macedo/Câmara dos Deputados
O Corregedor da Câmara dos Deputados, deputado Paulo Bengtson concede entrevista coletiva
Bengtson: "A deputada não apresentou as provas contrárias para as acusações de quebra de decoro"

Cabe ao Conselho de Ética da Câmara  abrir o processo e examinar a acusação. Os 21 deputados que compõem o colegiado têm mandato de dois anos e foram indicados pelos partidos no ano passado. Depois de aberto o processo, o primeiro passo é o sorteio do relator.

O corregedor destacou que concluiu sua parte no processo um mês antes do prazo regimental. Pelo regimento da Casa, o corregedor teria até 23 de novembro para apresentar o relatório, que foi entregue em 1º de outubro. "Prazos precisam ser cumpridos e a ampla defesa tem de ser garantida", ponderou.

Segundo Bengston, a Câmara está dando uma resposta à sociedade. "Eu sei que todo mundo queria que fosse logo julgado no outro dia, mas isso não pode acontecer. Isso traria instabilidade jurídica e, com certeza, a defesa da deputada poderia no caso trazer novidade ao processo. Fizemos tudo de acordo com o Regimento da Casa para que não tivesse nenhum tipo de dúvida."




Fonte: Agência Câmara de Notícias

Compartilhar por Whatsapp

Julio Take

Júlio Take, nasceu em Maringá-Paraná em 1967. Teve a primeira experiência profissinal em 1986, no O Jornal de Maringá. após essa primeira experiencia, trabalhou um tempo em Cascavel e Foz do Iguaçu. Após alguns anos militando na imprensa da região oeste do estado do Paraná, foi convidado a integrar a equipe da Agência de Notícias News.

0 comentários :