Flordelis não vai à Câmara e corregedor vai a apartamento funcional para notificá-la

 

A deputada Flordelis (PSD-RJ) desistiu de ir à Câmara dos Deputados nesta 4ª feira (9.set.2020) para assinar a representação de que é alvo na Casa. O prazo para ela comparecer era até às 11h30.

A deputada Flordelis (PSD-RJ) foi denunciada pela morte do marido Anderson do Carmo


O corregedor do Legislativo, Paulo Bengston (PTB-PA), teve de ir a seu apartamento funcional, em Brasília, para procurá-la.

Caso não consiga ser contatada, a notificação será publicada no Diário Oficial e o processo terá seguimento.

A deputada foi indiciada pelo crime de homicídio triplamente qualificado, tentativa de homicídio, falsidade ideológica, uso de documento falso e organização criminosa majorada.

Por isso, o deputado Léo Motta (PLS-MG) apresentou a representação por quebra de decoro parlamentar, o que pode levar à cassação do mandato da deputada.

Segundo Bengston, a corregedoria tem até 45 dias para conceder 1 parecer sobre o tema, mas o documento deve ficar pronto em, no máximo 15 dias. Antes disso, entretanto, a deputada tem 5 dias úteis para apresentar sua defesa por escrito.

Ela havia pedido, segundo o deputado, para ter uma conversa com ele na corregedoria nesta 4ª feira (9.set.2020), mas não compareceu no horário combinado. Por isso, Bengnston seguiu para o centro de Brasília para entregar a notificação no apartamento funcional de Flordelis.

Flordelis é acusada pelo MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) de ser a mandante do assassinato do marido, o pastor Anderson do Carmo, morto a tiros em junho de 2019, em Niterói. A congressista diz ser inocente.

Segundo o regimento interno da Câmara, denúncia apresentada por 1 deputado contra outro é enviada à Corregedoria, por decisão da Mesa Diretora. É a Corregedoria que faz a análise prévia da acusação. Depois, o parecer é devolvido à Mesa Diretora. Em caso de decisão favorável à acusação, o caso segue para análise do Conselho de Ética.

Entenda o caso

A deputada foi indiciada pelo crime de homicídio triplamente qualificado, tentativa de homicídio, falsidade ideológica, uso de documento falso e organização criminosa majorada.

As investigações identificaram 1 dos filhos biológicos de Flordelis, Flávio dos Santos Rodrigues, como executor do padrasto, o pastor Anderson do Carmo. As informações são do delegado Allan Duarte, titular da Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí e Maricá (RJ).

Um dos filhos adotivos do casal, Lucas César dos Santos, foi apontado como a pessoa que comprou a arma utilizada no assassinato.

Na 2ª fase da apuração, ainda segundo o delegado, novas provas e ações de inteligência constataram que Flordelis foi a mandante do homicídio. A investigação aponta como motivação principal a disputa de poder entre o casal e a emancipação financeira dela.

O advogado Anderson Rollemberg, que defende Flordelis, afirmou não há elementos que sustentem a denúncia contra ela. Segundo ele, as mensagens encontradas pela polícia no celular da deputada não foram escritas por ela, mas sim por uma das filhas, que tinha acesso ao aparelho.


Compartilhar por Whatsapp

Julio Take

Júlio Take, nasceu em Maringá-Paraná em 1967. Teve a primeira experiência profissinal em 1986, no O Jornal de Maringá. após essa primeira experiencia, trabalhou um tempo em Cascavel e Foz do Iguaçu. Após alguns anos militando na imprensa da região oeste do estado do Paraná, foi convidado a integrar a equipe da Agência de Notícias News.

0 comentários :