Maia quer pautar a PEC do Fundeb na próxima semana

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que, na semana que vem, vai pautar a proposta que torna permanente o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb). Segundo ele, o texto (PEC 15/15), que está em análise em uma comissão especial, ainda será aperfeiçoado em algumas reuniões com o governo nesta semana.

O Fundeb foi criado em 2006 por uma emenda constitucional (EC 53) que estabeleceu o prazo de 14 anos para sua vigência. Esse prazo termina no dia 31 de dezembro deste ano.

Durante live promovida pela Genial Investimentos na terça-feira (7), Maia adiantou que há ainda a possibilidade de se votar uma nova proposta sobre o piso salarial dos professores.

“É importante fazer a mudança do piso nacional, esses aumentos anuais geram distorções e a perda da administração das contas públicas”, defendeu.

Presidente da Câmara defende votação do Fundeb e cobra envio de reformas administrativa e tributária ao Congresso

Juros
Maia criticou ainda os juros do cartão de crédito e do cheque especial dos bancos. Segundo ele, esse dois produtos distorcem o sistema financeiro brasileiro para pior.

Na avaliação do presidente da Câmara, os bancos poderiam estar ajudando mais para facilitar o crédito para micro, pequenas e médias empresas, mas ele ressaltou que aumentar a tributação sobre os bancos não é uma solução.

“Os recursos não estão chegando e isso vai gerando um ambiente contra os bancos, mas não adianta, quando se aumentam os impostos, isso transfere para o consumidor. O problema do Brasil não é o tamanho da carga tributária, mas como ela é cobrada”, afirmou.

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Compartilhar por Whatsapp

Julio Take

Júlio Take, nasceu em Maringá-Paraná em 1967. Teve a primeira experiência profissinal em 1986, no O Jornal de Maringá. após essa primeira experiencia, trabalhou um tempo em Cascavel e Foz do Iguaçu. Após alguns anos militando na imprensa da região oeste do estado do Paraná, foi convidado a integrar a equipe da Agência de Notícias News.

0 comentários :