Rede de proteção à mulher atua no combate a violência em Maringá


Você conhece a rede de proteção à mulher de Maringá? A Delegacia Especializada da Mulher, Patrulha Maria da Penha, Casa-abrigo e o Centro de Referência de Atendimento a Mulher Maria Mariá (Crammm) fazem parte deste sistema de apoio às mulheres em situação de violência. A Prefeitura de Maringá, por meio da Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres (Semulher), atua diariamente no incentivo e cuidado de mulheres com uma equipe capacitada para acolher e orientar as vítimas.

O Crammm, serviço realizado pela Semulher, promove e garante os direitos das mulheres com assistentes sociais, psicólogas e advogados. Em casos de risco iminente de morte, a mulher é encaminhada para a Casa-abrigo de Maringá. O local temporário, de endereço sigiloso, oferece proteção e atendimento integral às vítimas 24 horas por dia. O objetivo é garantir a integridade física e psicológica e apoiar a mulher para que reestruture sua vida. A Semulher também realiza projetos, palestras e ações para apoiar e incentivar o enfrentamento da violência.

Desde o 2017, o Crammm realizou 5.543 atendimentos e a Casa-abrigo 147. Neste mesmo período, 7.214 boletins de ocorrência foram registrados pela Delegacia Especializada da Mulher e 3.081 medidas protetivas foram adotadas. “Maringá tem uma rede completa de atendimento à mulher vítima de violência. É com o desenvolvimento deste trabalho, com o olhar para as políticas públicas, que há a libertação de mulheres do ciclo de violência”, afirma Ana Nerry, diretora do Crammm.

O serviço da Patrulha Maria da Penha conta com auxílio da Guarda Municipal de Maringá. A força-tarefa especial de atenção às mulheres em situação de violência, monitora as vítimas garantindo o cumprimento das medidas protetivas. São duas equipes e viatura exclusiva para as ações. Desde que foi implantada, em setembro de 2017, a Patrulha Maria da Penha já realizou X ocorrências, sendo X atendimentos em flagrante e X mandados de prisão.

Lei Maria da Penha
A Lei nº 11.340 de 7 de agosto de 2006, mais conhecida por Lei Maria da Penha, cria mecanismos para reprimir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Física, sexual, patrimonial, psicológica e moral são os tipos de violência que se enquadram nesta lei. Os casos devem ser denunciados na Delegacia Especializada da Mulher para registrar um boletim de ocorrência (BO) ou ir ao Crammm para receber as devidas orientações.


SERVIÇO:

Delegacia Especializada da Mulher:
Rua Júlio Meneguetti, 195
Horário de funcionamento: 9h às 12h e das 14h às 17h
(44) 3220-2500

Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres:
Av. Papa João XXIII, 497
Horário de funcionamento: 8h às 11h30 e das 13h30 às 17h
(44) 3293-8350

Centro de Referência de Atendimento a Mulher Maria Mariá (Crammm):
Av. Papa João XXIII, 497
Horário de funcionamento: 8h às 17h
(44) 3293-8350 ou (44)3293-8376
Compartilhar por Whatsapp

Julio Take

Júlio Take, nasceu em Maringá-Paraná em 1967. Teve a primeira experiência profissinal em 1986, no O Jornal de Maringá. após essa primeira experiencia, trabalhou um tempo em Cascavel e Foz do Iguaçu. Após alguns anos militando na imprensa da região oeste do estado do Paraná, foi convidado a integrar a equipe da Agência de Notícias News.

0 comentários :