TERMINAL URBANO: Obra concluída em 3 anos valoriza conforto do transporte coletivo

                                                                                                                           Thiago Louzada/PMM

Ao fim de 3 anos de obras ininterruptas, iniciadas em 2017, será entregue hoje o Terminal Urbano Said Felícia Ferreira. O investimento foi de R$ 56 milhões. Estrutura com 1,6 milhão de toneladas de materiais numa área de 29,5 mil m² apresenta benefícios para transporte coletivo maringaense, com situações que não haviam antes. 

Projeto tem outras melhorias no sistema como corredores exclusivos para ônibus e estação subterrânea para trem no futuro. Assim como colabora para melhorar o entorno. Embarques e desembarques de passageiros no novo terminal começam no domingo, 1º de março.

Visual destaca os três arcos amarelos no centro do local. São 69 metros de comprimento e 17,2 metros de altura. Que já é marca registrada em fotografias e vídeos pela comunidade e imprensa. Novo terminal foi projetado com detalhes para acessibilidade, conforto e segurança. Confira a seguir detalhes do Terminal Urbano:

• Quando as obras do terminal foram iniciadas?
Obras começaram em julho de 2016, mas não avançaram. No início desta gestão, a análise do projeto, de 2014, identificou diversos problemas, o que justificou abertura de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na Câmara de Vereadores. Relatório final da comissão apontou que área de construção era menor do que a prevista no edital de licitação. Na prática isso significaria que o município pagaria mais por uma obra menor. Corrigidos os defeitos no projeto a obra foi retomada e concluída sem interrupção ao longo dos últimos 3 anos.

• Qual o custo da obra?
Projeto total foi de R$ 64 milhões, sendo R$ 56 milhões do terminal. A diferença foi investida em mobilidade conectada com terminal, como corredores de ônibus nas avenidas Morangueira e Kakogawa.

• Qual o tamanho do terreno e a área construída?
O novo terminal é quatro vezes maior que o anterior que foi demolido. São 22,3 mil m² de construção numa área total 29,5 mil m².

• Qual a previsão do número de pessoas circulando diariamente pelo local?
Estimativa é que uma média de 30 mil pessoas circulem pelo terminal diariamente.

• Como o pedestre consegue acessar o espaço?
Pelas laterais nas avenidas Tamandaré e Horácio Raccanello Filho. Nessas vias há faixas elevadas de acessibilidade. Terminal é aberto, sem catracas. As extremidades nas avenidas Herval e Duque de Caxias são somente para entrada e saída dos ônibus.

• Onde conseguirei comprar/recarregar o passe?
Haverá pontos de recarga dentro do terminal.

• Qual o horário de funcionamento?
Terminal operará entre 4h30 da madrugada e 1h. Fora esse horário ele terá acessos fechados e haverá seguranças no local.

• Quando será aberto o acesso ao mezanino?
Será realizada em breve licitação para uma empresa administrar os espaços comerciais - praça de alimentação e lojas - no mezanino.

• Como funcionará o sistema de segurança?
Empresa terceirizada vai monitorar o terminal 24 horas por dia, com sistema formado por 58 câmeras que convergirão as imagens para uma central de operações, além de vigias presenciais em pontos estratégicos do local. O patrulhamento do entrono do terminal será reforçada por agentes da Guarda Municipal e Polícia Militar.

• Quantos ônibus podem entrar ao mesmo tempo no terminal?
Terminal tem 44 espaços para embarque e desembarque de passageiros para ônibus de 66 linhas.

• Por que o transporte intermunicipal não entra no terminal?
Projeto mantém como era antes no terminal anterior: os ônibus metropolitanos não entram no terminal. As linhas metropolitanas têm pontos próximos do terminal. Projeto aponta que no futuro o transporte metropolitano seja feito por trem. Há uma estação subterrânea no terminal, razão da expressão ′intermodal′, que na prática significa que o terminal poderá receber outros modais de transporte, como trens.

• Por que foi dado o nome do ex-prefeito Said Ferreira ao terminal?

Projeto foi aprovado pela Câmara de Vereadores. É uma homenagem a Said Ferreira que foi médico, prefeito duas vezes de Maringá - entre 1983 e 1988 e entre 1993 e 1996 , deputado estadual entre 1991 e 1992 e faleceu em 2010. 

Além de um grande acervo de obras deixado por sua gestão, Said Ferreira também deu sua contribuição para retirar o pátio de manobras da rede ferroviária federal do centro e transferi-la para os limites da cidade, viabilizando rebaixamento da via férrea e a implantação do Novo Centro, onde foi construído o novo terminal urbano.

• Confira a programação completa da inauguração do Terminal Urbano: http://www2.maringa.pr.gov.br/site/index.php?sessao=dae770a06e55da&id=36015
Compartilhar por Whatsapp

Julio Take

Júlio Take, nasceu em Maringá-Paraná em 1967. Teve a primeira experiência profissinal em 1986, no O Jornal de Maringá. após essa primeira experiencia, trabalhou um tempo em Cascavel e Foz do Iguaçu. Após alguns anos militando na imprensa da região oeste do estado do Paraná, foi convidado a integrar a equipe da Agência de Notícias News.

0 comentários :