Estados defendem ampliar auxílio emergencial para pescadores prejudicados por óleo

Governo editou medida provisória que deve beneficiar 65 mil pescadores que foram prejudicados pelo desastre ambiental

Adema/Governo de Sergipe
Vazamento de petróleo no litoral do Nordeste
Mais de mil pontos do litoral brasileiro foram afetados pelo óleo
Durante audiência pública na comissão mista que analisa a medida provisória editada pelo governo federal para beneficiar os pescadores atingidos pelo derramamento de óleo nas prais do Nordeste, representantes dos estados criticaram a exigência do “Registro Pescador Profissional” para recebimento do auxílio. Segundo eles, apenas alguns pescadores estão cadastrados e, por isso, a medida não atende à demanda.
O deputado Raimundo Costa (PL-BA) propôs uma emenda que visa garantir o benefício a todos os pescadores dos estados afetados.
“O sistema que cadastra todos os pescadores do Brasil tem uma inconsistência muito grande, tanto é que o governo federal, através da Secretaria de Aquicultura e Pesca, está tentando promover um recadastramento para tentar ajustar um banco de dados que não corresponde à realidade que está no mercado. Muitos desses que não estão no sistema, que são pescadores, a medida provisória não contemplou”, disse o deputado. 
Contaminação e morte
Segundo dados do Ibama, desde agosto do ano passado as manchas de óleo afetaram 130 municípios em 11 estados, em mais de mil pontos no litoral brasileiro. A contaminação atingiu 159 animais e, desses, 112 morreram. O desastre ambiental também prejudicou trabalhadores da região que dependem da pesca para sobreviver.
Por causa do prejuízo causado aos profissionais, a comissão do Congresso Nacional está analisando um auxílio emergencial para os pescadores. O governo federal editou a MP 908/19, que deve beneficiar 65 mil pescadores que foram prejudicados, com o valor de R$ 1.996,00, pagos em duas parcelas iguais.
O Secretário de Desenvolvimento Agrário de Pernambuco, Dilson Peixoto, também criticou a falta de recursos para os que dependem da pesca.
“A medida provisória precisa atender a todos os pescadores e não apenas aos que ela se propõe a fazer. No caso de Pernambuco, apenas 4 mil pescadores estão recebendo, quando os cadastros, que a gente fez agora, mostra que a gente tem em Pernambuco 12 mil pescadores artesanais. Então tem 8 mil que estão sem receber nada”, observou.   
A medida que beneficia pescadores que foram prejudicados pelas manchas de óleo no litoral será analisada pela comissão, antes de votação pelos plenários da Câmara e do Senado.
Compartilhar por Whatsapp

Julio Take

Júlio Take, nasceu em Maringá-Paraná em 1967. Teve a primeira experiência profissinal em 1986, no O Jornal de Maringá. após essa primeira experiencia, trabalhou um tempo em Cascavel e Foz do Iguaçu. Após alguns anos militando na imprensa da região oeste do estado do Paraná, foi convidado a integrar a equipe da Agência de Notícias News.

0 comentários :