CPMI das Fake News ouve representantes de empresas de telefonia na quarta

Divulgação/Sesc-SP
Comunicação - internet - computador tecnologia
A CPMI investiga o uso de perfis falsos para influenciar os resultados das eleições em 2018
A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) das Fake News ouve representantes de operadoras de telefonia celular nesta quarta-feira (12).
A relatora da comissão, deputada Luizianne Lins (PT-CE), afirma que “o mau uso da internet, inclusive incorrendo em atividade criminosa, só pode ser combatido se ocorrer um suficiente conhecimento do instrumental disponível e do histórico de alertas e providências em curso pelas empresas”.
Foram convocados para prestar esclarecimentos o diretor de tecnologia da informação e segurança cibernética da Oi, Angelo Coelho da Silva Neto; o diretor de relações institucionais da Tim, Leandro Guerra; o diretor de relações institucionais da Telefônica/Vivo, Enylson Flávio Martinez Camolesi; e o vice-presidente de relações institucionais da Claro, Fábio Andrade.
Também foram convidados o representante do Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal, Alexandre Castro; e o superintendente de controle de obrigações da Anatel, Gustavo Santana.
Os depoimentos foram solicitados pelos senadores Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e pelo presidente da CPMI, senador Angelo Coronel (PSD-BA).
CPMIO colegiado, que tem como vice-presidente o deputado Ricardo Barros (PP-PR), foi criado para investigar os ataques cibernéticos que atentam contra a democracia e a utilização de perfis falsos para influenciar os resultados das eleições em 2018.
A prática de cyberbullying sobre os usuários mais vulneráveis da rede de computadores e sobre agentes públicos, o aliciamento e a orientação de crianças para o cometimento de crimes de ódio e suicídio também estão entre os objetos de investigação da CPMI, que tem até o dia 13 de abril de 2020 para concluir seus trabalhos.
A audiência desta quarta será realizada a partir das 13 horas, no plenário 2 da ala Nilo Coelho, no Senado.
Compartilhar por Whatsapp

Julio Take

Júlio Take, nasceu em Maringá-Paraná em 1967. Teve a primeira experiência profissinal em 1986, no O Jornal de Maringá. após essa primeira experiencia, trabalhou um tempo em Cascavel e Foz do Iguaçu. Após alguns anos militando na imprensa da região oeste do estado do Paraná, foi convidado a integrar a equipe da Agência de Notícias News.

0 comentários :