Guerra entre prefeito e deputado estadual inimigo da educação



 

A impressão de quem acompanha as redes sociais é que a campanha para prefeito de Maringá está a todo vapor e  que o Ulisses Maia(PDT), o atual chefe do executivo da terceira cidade maior do Paraná, encontrou no deputado estadual Homero Marchese(PROS) um adversário briguento e marrento, que quer, a todo custo, derrubar o atual prefeito com denúncias infundadas.
No passado, o deputado estadual disputou uma cadeira na câmara de vereadores com o apoio de Ulisses Maia, que na oportunidade, ganhou a eleição de prefeito.

Após a posse, o então vereador Homero Marchese, que era filiado ao Partido Verde, se desentendeu com Ulisses Maia e começou uma onda de ataques contra a administração de Maringá. As denúncias tinham o objetivo de atrapalhar o desenvolvimento de Maringá. Com sabedoria, o chefe do executivo, não parou de trabalhar e hoje a cidade, apesar da crise, está em crescimento.

Na época diziam  que o parlamentar estava exercendo o dever de fiscalizar os atos da administração. Detalhe, como deputado estadual se tornou uma decepção para quem apostou nele, uma vergonha. Na primeira oportunidade se uniu com os poderosos e começou a atacar os direitos dos funcionários públicos.

Infelizmente, o deputado estadual Homero Marchese não adotou o mesmo principio com os seus colaboradores, os assessores são bem renumerados. Já que é favor de diminuir salários, deveria adotar a prática em seu gabinete.

É visto como um liberal e defensor do estado mínimo. Defende um salário alto para os seus comandados, enquanto segue a cartilha neo liberal de achatamento dos vencimentos dos funcionários públicos em todo o Paraná.

Em seu gabinete tem oito assessores e a folha de pagamento ultrapassa o valor anual de 1,1 milhões de reais.

As informações são públicas e estão disponíveis no Portal da Transferência da Assembleia Legislativa do Paraná e todo paranaense tem acesso aos dados divulgados.

A revolta de parte dos funcionários públicos da educação, é que o deputado Homero Marquese nomeou um assessor parlamentar recebendo um salário de R$ 4.318,91, para espalhar Fake News e atacar os professores ligados a Universidade Estadual de Maringá e que é mais triste, denegrir a imagem de políticos maringaenses.

O deputado estadual, Homero Marquese, como representante dos paranaenses, deveria ter a sensibilidade e procurar ouvir a sua base e elaborar projetos que atenda o povo do paraná com uma política de desenvolvimento nas áreas de educação, comércio e na prestação de serviços; usando com responsabilidade o dinheiro público e não criando picuinhas com os políticos e servidores do estado do Paraná.


“Nós pagamos o aluguel para o ex-vereador e atual Deputado Estadual Homero Marchese. Apartamento em Curitiba por uma bagatela de quase 3 mil reais. Será que tem piscina e academia no condomínio? Por este valor é o mínimo que se espera! O parlamentar bolsonarista é muito conhecido no meio acadêmico por perseguir professores universitários que ganham 5 mil reais trabalhando 40 horas por semana. Costuma divulgar seus salários e chamar a tropa de bolsonarista para pedir o fim da universidade pública. Lembre-se desses gastos quando ouvi-lo falar sobre ESTADO MÍNIMO!” aponta Lu Zafir numa rede social.

Compartilhar por Whatsapp

Julio Take

Júlio Take, nasceu em Maringá-Paraná em 1967. Teve a primeira experiência profissinal em 1986, no O Jornal de Maringá. após essa primeira experiencia, trabalhou um tempo em Cascavel e Foz do Iguaçu. Após alguns anos militando na imprensa da região oeste do estado do Paraná, foi convidado a integrar a equipe da Agência de Notícias News.

0 comentários :