Nota oficial

Curitiba, 06 de novembro de 2019.


PREZADOS, HONRADOS E IRMANADOS POLICIAIS CIVIS, EM ESPECIAL AOS DELEGADOS E ESPECIALMENTE AOS INTEGRANTES DA DELEGACIA DE CIBERCRIMES.

De pronto, Aceitem as nossas envergonhadas desculpas pelo pronunciamento em vídeo, emanado de um deputado estadual Policial Militar, eleito acidentalmente na onda das últimas eleições atípicas, onde o Povo mais uma vez, acreditou que Militares e Policiais seriam a “salvação” da Pátria, e o são, realmente, o Povo não estava errado, todavia, nesse mar de votos, foram eleitos “indivíduos” despreparados que nos envergonham. É o caso do “deputado” autor de uma excrescência de vídeo, agressivo e com excessivas palavras de baixíssimo calão, lançado na internet como se fosse uma “obra literária”, porém, mais nos parece um amontoado de desrespeitos à sociedade, que fere os ouvidos de quem o assiste.

Penso que a Comissão de Ética da Assembleia Legislativa do Paraná devesse por dever de honra, analisar dito pronunciamento público e verificar a quebra de ética parlamentar, dado o baixo nível proferido, o qual nivela por baixo a classe dos nossos representantes eleitos. Providências poderão e deverão ser tomadas.

Lamentamos o verbalizado pelo “pequeno cidadão” e entendemos perfeitamente a reação dos nossos Irmãos de trabalho e luta, aos quais, novamente, pedimos todas as escusas e vênias no sentido de individualizarem os ditos, pois, tenham a certeza de que é caso isolado de pensamento sobre o bom e nobre serviço prestado por aquela delegacia, bem como de maneira geral pela Policia Civil Judiciária do nosso Estado.

Lavro a presente missiva, na esperança que “todas” as associações representativas de classe de integrantes da Polícia Militar, produzam documentos similares, tentando, dessa forma, minimizar os efeitos mal educados e nefastos expelidos pela boca suja e desagradável de um homem que, a população, equivocadamente pensou estar votando certo. Viram que não.

Ruborizado pela baixeza do vídeo, por derradeiro, curvo-me perante todos e cada integrante dessa importante e indispensável Polícia Judiciária, pedindo que em meu nome e em nome de todos os integrantes da Polícia Militar, aceitem nosso envergonhado pedido de desculpa.

Saberemos, nós, ceifarmos do nosso meio, tão rude e despreparado eleito, esforçando-nos para que, nossa casa de leis não mais tenha eleitos de tão baixo  quilate.

Respeitosa e atenciosamente.
Subscrevo-me.
João José Ramirez Junior – Cel. RR da PMPr
Compartilhar por Whatsapp

Julio Take

Júlio Take, nasceu em Maringá-Paraná em 1967. Teve a primeira experiência profissinal em 1986, no O Jornal de Maringá. após essa primeira experiencia, trabalhou um tempo em Cascavel e Foz do Iguaçu. Após alguns anos militando na imprensa da região oeste do estado do Paraná, foi convidado a integrar a equipe da Agência de Notícias News.

0 comentários :